Abelha Jatai

 

= ABELHA JATAI TETRAGONISTA ANGUSTULA =

Foto abaixo: Abelha jatai na natureza.

Foto acima: Abelha jatai em caixa racional.

Foto acima: Abelha jatai na natureza. 

Webnode

Foto acima: Abelha jatai rainha.

Foto acima: Meliponário= Abelhas diversas.

A abelha Jatai é uma das menores já conhecida, é sociavel e muito mansa, só perde em tamanho para a Abelha Mosquito, muito comum na Amazônia.

A jatai mede aproximadamente 5mm sua cor é dourada, é encontrada em quase todo o território nacional, as colónias tem de 2.000 a 5.000 individuos, é uma abelha bem adaptada a vida urbana.

Os seus ninhos caso não violado, permanece por mais de 35 anos no mesmo local, podemos dizer que os ninhos são permanebte.

A abelha Jatai, no meu ponto de vista não está na lista das abelhas em extinção, sobrevive muito bem em cidades pequenas, enxameia e faz seu ninho em qualquer lugar, ocos de árvores, na terra, em barranco, em muros entre meio de pedras, Só não sobrevive em metrópolis. ( A jatai mora em meio a pedras, mas não come pedra ).

Produz de 600 ml a 1,5 litros de mel ao ano em caixas racionais, um mel de ótima qualidade. O preço do litro de mel para venda gira em torno de R$- 60,00 a R$- 80,00. É um mel muito saboroso e medicinal, na região Sul do Brasil, é muito utilizado para pingar no olho para retirar cisco , e tambem para cura de catarata, e outras doenças dos ólhos.

Esta abelha pertence ao grupo das trigonas, Para multiplicar é necessário ter uma realeira em formação.

Na entrada de sua morada, fazem um tubo de cera amarelada, onde sempre se encontra algumas sentinelas, durante a noite fechão o tubo de entrada com uma espécie de cera rendilhada. É normal a presença de abelhas guardas que ficam voando em redor do tubo, formando uma pequena nuven de dia.

As abelhas campeiras apresentam movimento bem diferente, pois entram e saem da colónia rápita e constantemente. Elas podem entrar carregando pólem em suas curbículas (patas) ou néctar no abdome

O ninho apresenta invólucro de cerume abundante, com várias camadas finas, o seu alimento é guardado em potes ovóides.

As células de crias são em forma de favos redondos, disposto um em cima do outro separado com pequenos pilares. Os discos de crias (células) são construidos com rapidez para receber o alimento larval. 

Muitas vezes as operárias botam ovos tróficos redondo e grande, para a rainha se alimentar antes de fazer a postura.

 

Análise sobre Composição e Qualidade de mel de abelha Jataí
(Tetragonisca Angustula)

Fernando Barion, Graziela Leal Sousa, Ligia Bicudo de Almeida-Muradian
Faculdade de Ciências Farmacêuticas, FCF-USP, São Paulo
1.Objetivo
Avaliar a composição e requisitos de
qualidade de mel de abelhas sem ferrão da
espécie Tetragonisca angustula (Jataí),
utilizando-se metodologias preconizada pela
Legislação Brasileira para mel de Apis.
2.Material e Métodos
Material: Cinco amostras de méis de abelhas
Jataí (Tetragonisca angustula) foram coletadas
nas cidades de Amparo–SP, Pedreira-SP, Lins-
SP, Picada Café–RS e Itaberaba-SP.
Métodos
Umidade: refratometria2; Açúcares Redutores e
Sacarose Aparente: titulometria - Fehling2,3,4;
Hidroximetilfurfural (HMF):
espectrofotometria1,3; Acidez Livre:
titulometria1,3; Sólidos insolúveis em água:
gravimetria2,4; Atividade Diastásica:
espectrofotometria2,4; Minerais/Cinzas
gravimetria2,4; Determinação de sacarose,
glicose e fructose: cromatografia líquida de alta
eficiência (CLAE)2; Valor energético: fórmula;
Nitrogênio/Proteínas: método Micro-Kjeldahl1;
Determinação de extrato etéreo (gorduras
totais): método de Soxhlet5.
3.Resultados e Discussão
Tabela 1. Determinação da sacarose, frutose e
glicose por CLAE das amostras de
Lins-SP e Amparo-SP
Tabela 2. Resultados dos testes para avaliação
fisico-química
Método Resultados
Amp. Pedr. Lins P.Café Itab.
Umidade (%) 22,60 23,40 21,21 25,00 24,20
Acidez total (meq/Kg) 40,71 63,85 37,05 36,86 22,38
Açucares Red.(%) 64,04 61,99 67,71 47,67 63,40
Sacarose Aparente
(%) 4,39 3,78 0,86 1,29 4,76
HMF (mg/100gmel ) 0,00 0,07 0,09 2,58 0,06
Diastase 9,05 18,69 16,60 18,69 18,69
Sólidos insolúveis (%) 0,04 0,10 0,10 0,01 0,02
Cinzas 0,25 0,42 0,17 0,30 0,20
Proteínas 0,37 1,10 1,09 0,18 0,52
Lipídios 0,04 0,01 0,08 1,20 0,01
Carboidratos(%) 76,74 75,07 77,22 73,33 75,04
Valor energético
(kcal/g) 3,08 3,04 3,13 3,04 3,02
4.Conclusões
Comparando-se com a legislação do
mel de Apis mellifera, foi observado alto teor de
umidade em todas as amostras testadas,
aumento na acidez para o mel de Amparo–SP
(40,71 meq/ Kg) e de Pedreira-SP (63,85 meq/
Kg), diminuição nos valores de açúcares
redutores para amostra de Amparo-SP
(64,04%), Pedreira-SP (61,99%), Picada Café-
RS (47,67%) e Itaberaba-SP (63,40%).
Constatou-se que o método de Fehling
para açucares redutores e sacarose aparente é
muito impreciso, comparado ao CLAE. Região
de Lins–SP: CLAE: 56,3% de açucares
redutores e 8,38% de Sacarose. Fehling:
67,7% de açucares redutores e 0,86% de
Sacarose. Região de Amparo–SP: CLAE:
55,08% de açucares redutores e 12,43% de
Sacarose Fehling: 64,04% de açucares
redutores e 4,39% de Sacarose.
5.Referências Bibliográficas
[1]. ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL
CHEMISTS. Official methods of analysis of the
Association of Official Analytical Chemists.
Arlington: AOAC, 1990. 500p.
[2]. BOGDANOV, S.; MARTIN, P.; LULLMANN, C.
Harmonized Methods of the European Honey
Commission. Apidologie, Extra. Issue, p. 1-59, 1997.
[3]. BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento. Instrução Normativa 11 de 20 de
otubro de 2000, Regulamento Técnico de
identidade e qualidade do mel.
Amostra Açúcares Resultados
Glicose (%) 22,75
Frutose (%) 33,55
Lins – SP
Sacarose (%) 8,38
Glicose (%) 23,89
Frutose (%) 31,19
Amparo – SP
Sacarose (%) 12,43

 


Webnode